Perder a guerra e ganhar a Paz • por Louise Luz

Ao sentar para escrever essa coluna,  em meio ao turbilhão que estamos vivendo, me esforcei para pensar em diferentes temas, pois meu objetivo aqui sempre foi de espalhar amor e inspiração. Mas o assunto política não sai da minha cabeça, e apesar de não querer expor minha opinião pessoal, vejo e sinto que tudo o que estamos vivendo nada mais é do que um reflexo de uma sociedade doente por dentro, ferida, magoada, desacreditada e desunida. Então mais uma vez eu volto ao básico do básico, relembrando o verdadeiro sentido do Yoga e  como essa prática pode nos ajudar a lidar com as questões do dia a dia.


Yoga significa união. Essa é a tradução e o objetivo maior da prática. Unir corpo, mente e espírito. Unir e equilibrar razão e emoção, unir a mente (que vive no passado e no futuro) ao momento presente, unir nossos desejos com a vontade do nosso coração, unir o eu com os outros, o nós com o Todo.


Quando praticamos yoga nos alinhamos com propósitos mais elevados, sentimos esse estado de união em nosso próprio corpo, nos preocupamos mais com os outros no melhor sentido, desenvolvendo compaixão, respeito e entendimento sobre as diferenças. Unimos as partes que estavam fragmentadas, nossa eterna mania de buscar e culpar fora o que na verdade está dentro, reconhecendo as partes de nós que precisam ser curadas, amadas e transformadas. Aprendemos a assumir responsabilidade sobre nossas vidas, nossas palavras, intenções e ações. Mudamos dentro e depois o mundo muda fora. Por frequência e atração, tudo vai se encaixando conforme vamos vibrando mais amor e união.


No momento político atual, o país está dividido e as divergências foram gritantes de ambos os lados. Extremos nunca são a melhor opção ao meu ver, aprendi a viver no caminho do meio, que nada tem haver com não se posicionar, e sim respeitar, ouvir e saber caminhar com quem pensa diferente mas que no fundo quer chegar no mesmo lugar. Todos queremos paz, amor saúde, segurança, abundância. Todos queremos comida, diversão e arte. Mas se estamos lutando contra o odio, porque as pessoas gastam seu tempo para atacar e propagar quem pensa diferente delas? Acabam lutando com as mesmas armas a que elas tanto condenam, esquecendo que palavras violentas também machucam e ferem. Se quer respeito, respeite. Se quer paz, seja a paz.


Ao assistir o documentário “Who shot the sheriff” de Bob Marley no Netflix, tive vários insights sobre nossa situação. Em determinada cena, ele pede que subam ao palco dois dos maiores rivais políticos, ele une as mãos dos adversários e clama por União! - “One love, one heart, let’s get together and feel all right”- um amor, um só coração, vamos nos unir e tudo ficará bem. Bob usou sua voz e seu poder para unir, cantava e lutava por um amor livre de preconceitos, por inspirar a aceitar que somos todos UM, não importa a cor, a crença ou religião.


No yoga temos a palavra (o Yama) “Ahimsa” defende a não violência, sob nenhum

aspecto devo usar a “minha” verdade, palavra ou ação para ferir alguém.

No yoga aprendemos a ser nosso próprio Mestre, para que sejamos não apenas o problema mas também a solução. No yoga a mudança começa por dentro e se expande para fora, porque acreditamos que fazendo a nossa parte, por menor que seja, com ações amorosas e positivas geramos reações amorosas e positivas, essa é uma lei universal. Se queremos um mundo melhor, devemos começar a criá-lo dentro de nós.

Então independente de quem você votou, tente elevar seu pensamento, praticar e desejar o bem, colocar em prática aquilo que você acredita com pequenas ações positivas que geram impacto positivo nas pessoas e no meio ambiente que vivemos. É possível criar uma realidade mais justa e amorosa, principalmente nas nossas relações. Vamos dar as mãos, em prol da paz e união, e como dizia Bob Guru Marley… “ Se todos dermos as mãos, quem sacará as armas?”

“Prefiro perder a guerra e ganhar a paz.”