Viver o Presente • por Louise Luz

Qual o sentido dessa existência
Vivendo para um amanhã que nunca chega
A vida é sempre hoje
Aqui é agora.

Um dos maiores problemas da vida moderna é a ansiedade.

As pessoas se (PRE)ocupam demais e sofrem por antecedência, estão sempre buscando a felicidade ou validação, esperando algo chegar e sofrendo pela desintegração entre corpo/mente/espírito, vivendo com o corpo aqui, a cabeça lá e o coração... em algum outro lugar (passado ou futuro).

A língua portuguesa nos “presenteou” com esse duplo sentido, o PRESENTE, que define o momento atual e também uma dádiva, uma benção, um gesto de amor, algo que gera gratidão.
Viver cada dia como se fosse um presente (daqueles que vêm embrulhados lindamente),  é uma das maiores lições e evoluções que podemos ter.

Agradecer.

Fazer o melhor que podemos, hoje!

Desembrulhar os afazeres do dia, não criar resistências, não criar expectativas, extrair o melhor das experiências. Expressar nossos sentimentos, agir com atenção, não perder tempo nem energia com bobagens, valorizar cada momento como especial e único. A receita da felicidade consiste na valorização das coisas simples do dia a dia, não está lá longe, está aqui, sempre aqui e agora!


A vida é uma Viagem

Precisamos fazer valer nossa passagem pela Terra. Lembrar que estamos realmente de passagem... e assim como as viagens que fazemos e amamos, cada dia pode ser vivido como uma nova aventura, saindo do automático e apreciando cada minuto de vida. Ao assumir as escolhas que fazemos a todo instante, vamos aprendendo a agir com responsabilidade na criação da nossa realidade.

O caminho é de altos e baixos, não temos como fugir da roda da vida, mas se estivermos centrados, conectados e alinhados, nosso caminhar nos levará de volta para casa, para o coração, que é nosso destino final. Ser e viver no Amor e na união.

Não fomos educados para encarar a morte de perto, ela nos amedronta e preferimos não pensar sobre ela. Os budistas pensam diferente, vivem e meditam sobre a Morte como forma de valorizar a vida. A celebram como uma passagem de volta para casa, para o espírito, livre do peso e dos sofrimentos da matéria.

Quando perdemos alguém que amamos, nossos valores mudam. Passamos a querer viver de forma mais intensa o hoje e fazer ele realmente valer a pena. Mas não precisamos perder para aprender. Basta entender...

Entender que é no aqui e agora que criamos o futuro, q tudo parte da frequência que emitimos, através dos pensamentos, intenções e ações. Estamos vibrando a todo instante.

Amor ou medo.

Amor é presença, união, entrega.

Medo é dualidade, sombra, separação.

Não precisamos esperar que as coisas aconteçam de fora para dentro, e sim começar agora, dentro de nós mesmos, a vibrar na frequência que desejamos. Co-criar a realidade tão desejada. Observar. Estar atento aos nossos pensamentos. A cada respiração. As palavras que proferimos. As  intenções que alimentamos. As sensações que o corpo demonstra. Precisamos sentir!!
Aprender a Ser e não tornar-se. Já somos! Apenas nos esquecemos disso e estamos colocando energia demais no Ter para poder ser. Não!! Não é esse o caminho.

Para Ser você precisa Estar. Se fazer presente. Observar. Contemplar. Sentir. Agradecer.
Tornar-se algo que te leva para o futuro, para o amanhã.

Algo dentro de nós sempre sabe que já somos tudo o que queremos ser. Assuma esse poder. Abra os olhos de manhã e agradeça, seu maior presente é estar vivo.

Aqui e Agora.

Viva!